Rogério Timóteo ou o Esplendor da Matéria
 

Os olhos são porta do espírito como as mãos caminho de lúdico reconhecimento. No mais, tudo é rigor no trabalho das pedras, tudo é dureza na eternidade metálica para as ideias que chegam prontas ao bronze ou que se aperfeiçoam em gestos que procuram definição onde, como no barro, o recomeço se consente.

E riscam-se papéis, procuram-se as formas, ensaiam-se posturas. Há percursos que nascem do ideal perseguido como se fossem uma caligrafia. Ama-se com acento pessoal ou jamais se marca a Obra. A maldição facilmente muda a pureza inicial para amargo eco sem sentido. O Autor sabe disto e todos os avisos latejam na memória do homem que exige tudo si, da matéria e da sua sensibilidade como se trabalhar fosse a viagem onde só pelo amor e pelo talento se avança. E ele, Rogério Timóteo, o Escultor, diariamente caminha no sentido da luz. 

Nascem-lhe nas mãos os corpos nus para suportar a harmonia. Há, em todos, uma beleza que transcende o sexo e se fixa, poética, ao dizer das formas trabalhadas, à sensualidade latente, aos mistérios que se escondem na pedra por desbravar ou à vontade de parar no caminho da sede. A rigidez da geometria dialoga com a ductilidade dos corpos que ali se expõem, perfeitos, maduramente pensados e espiritualmente sentidos.

A originalidade é uma contínua e dolorosa procura e o acerto cronológico exige deste Escultor rasgo e ousadia. Importa que os olhos se prendam ao centro da atenção e daí partam no divagar que leva a mente ao imponderável reino dos sonhos. Ver pelo olhar de Rogério Timóteo é sentir, mágica, a terceira dimensão a libertar-se do peso bruto da matéria para invadir a espiritualidade e nela fazer a diferença. A emoção vem de sentir a beleza transcender o silêncio frio das formas quando nelas a Arte acende de verdade o sentimento. Rogério Timóteo usa o tempo e arranca ao seu esforço o esplendor do voo. Merece por inteiro estar hoje no primeiro plano da Escultura Contemporânea em Portugal.

 

Edgardo Xavier
A.I.C.A Portugal
Sintra, Fevereiro de 2015